Home / Destaques / Portal da Queixa recebe 7.000 reclamações por mês
Portal da Queixa PME Magazine

Portal da Queixa recebe 7.000 reclamações por mês

Em média, o Portal da Queixa recebe 7.000 reclamações por mês, a maioria das quais visa as operadoras de telecomunicações, empresas de transporte e logística e entidades públicas. Desde 2009, ano da sua criação, já registou mais de 130 mil queixas e um crescimento de 200% ao ano.

Esta plataforma tecnológica, cujo objetivo passa por dinamizar o contacto entre consumidores e marcas conta com 168 mil utilizadores registados e quase 4.000 marcas e entidades públicas. Para além da grande aceitação da comunidade online, a relevância dos temas tratados pelo Portal da Queixa posiciona-o como uma fonte noticiosa credível com grande procura pela Comunicação Social.

Considerado como um canal online pioneiro no serviço prestado e reconhecido como uma referência nacional em matéria de consumo, o Portal da Queixa é, hoje, mais do que ‘uma espécie de livro de reclamações moderno’. Assume-se numa posição de relevo na sociedade portuguesa: por fomentar a literacia dos cidadão ao nível do consumo; por criar um espaço interativo à troca de soluções e experiências; por permitir comparar as marcas do mercado com base num Índice de Satisfação e, sobretudo, por promover um útil serviço público informativo com base na divulgação diária de informações relevantes – legislação, notícias, alertas de burlas – para os consumidores.

À frente deste projeto pioneiro no País e, único na Europa, está Pedro Lourenço, CEO & Founder do Portal da Queixa que conta como, em 2009, teve uma visão inovadora:

Enquanto consumidor, deparei-me com uma reclamação não resolvida, através dos canais tradicionais da marca, e identifiquei de imediato aí uma lacuna. Surgiu, assim, ideia de criar uma solução que fosse ao encontro das necessidades e respostas dos consumidores e que, simultaneamente, pudesse assegurar a boa imagem e reputação das marcas. Foi então que, ladeado por uma equipa com um forte know-how em tecnologia digital, aproveitando o pulsar, na altura, das redes socias e antecipando a mudança no perfil do consumidor (com mais acesso a informação online, mais curioso e participativo, mais ativo e reativo), decidi apostar num canal online que inovasse o panorama nacional em matéria do consumo. Este foi o princípio inscrito na nossa matriz: gerar, para ambas as partes, ganhos bilaterais com base numa relação positiva. Desde então, a grande aceitação que obtivemos pela comunidade online, veio corroborar a tendência que havia identificado: cada vez mais, os portugueses procuram a solução para as suas reclamações através das plataformas online.”