Home / Empresas / 2018 voltará a bater recorde de criação de empresas
criação de empresas nascimento de empresas criadas insolvências pme magazine
Foto de arquivo

2018 voltará a bater recorde de criação de empresas

Portugal terminou o terceiro trimestre de 2018 com 33.898 novas empresas e outras organizações criadas, um crescimento de 8,9% face a igual período do ano passado.

Segundo dados do barómetro da consultora Informa D&B, a consistência dos lados ao longo dos últimos 9 meses vai “fazer de 2018 o ano de recorde de nascimento de empresas em Portugal”.

O setor dos serviços lidera o nascimento de empresas, com 11.052 novas empresas (mais 8,9% do que no mesmo período de 2017), havendo também grandes contribuições das atividades imobiliárias (mais 659, 23,8%), construção (mais 13, 19,1%) e transportes (481 nascimentos, 54,4%).

“Também o setor de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) mantém um forte crescimento de novas empresas, com a constituição de 1 337 entidades desde o início de 2018 (mais 196 empresas, +17,2%). Neste setor, com um total mais 7 500 empresas, onde quase 70% exercem atividades de Consultoria e programação informática, quase metade do volume de negócios é gerado pelas Telecomunicações, que quase duplicou a constituição de novas empresas na última década”, acrescenta a consultora.

Por região, o distrito de Lisboa é o que viu nascer mais empresas (11.769), seguindo-se o Porto (6.062).

Já os encerramentos, adianta o barómetro, “registaram no final dos primeiros 9 meses do ano um crescimento de 18,6% quando comparado com o mesmo período de 2017”.

“Os setores que mais contribuíram para este registo foram os Serviços (2 732 encerramentos) e o Retalho (2101 encerramentos) a que correspondem subidas face ao período homólogo de 9,7% e 16,7%, respetivamente.”

As insolvências caíram nos primeiros nove meses do ano, com menos 1809 processos iniciados (menos 11%).

No que respeita aos prazos de pagamento, a percentagem de empresas a pagar dentro dos prazos acordados manteve-se nos 14,9%, sendo este dos valores “mais baixos desde 2007”.

O atraso médio de pagamento é de 25 dias, sendo que mais de dois terços das empresas “pagam com um atraso até 30 dias.