Home / CARREIRAS / RH / Estudo revela desigualdades entre géneros
hays desigualdades salariais pme magazine
Foto (divulgação)

Estudo revela desigualdades entre géneros

Um novo inquérito global realizado pela Hays revela que os homens têm mais tendência do que as mulheres para acreditar que o seu empregador compromete-se a alcançar a igualdade de género dentro da empresa.

Antes do Dia Internacional da Mulher, dia 8 de março, a Hays inquiriu recentemente mais de 1.100 pessoas em quase 100 países, para identificar as principais barreiras em relação à igualdade de género no local de trabalho.

A Hays questionou os inquiridos, numa escala de um a cinco, o grau de compromisso do seu empregador em alcançar a igualdade de género. De uma forma geral, 32% afirmou que o seu empregador estava menos comprometido em alcançar a igualdade de género, sendo que 39% das mulheres acredita que há necessidade para melhorar, e apenas 23% dos homens considera o mesmo.

45% de todos os inquiridos afirmaram que o seu empregador está cada vez mais comprometido em alcançar a igualdade de género, sendo que a esmagadora maioria que acredita são homens com 57% de respostas, em comparação com 38% das mulheres.

Os inquiridos que indicaram que o seu empregador estava menos comprometido em atingir a igualdade entre géneros, foram então questionados sobre quais as melhores soluções, sendo que 61% indicou que o seu empregador poderia melhorar a equidade focando-se na igualdade salarial.

Para além disso, 72% das mulheres identificaram a igualdade salarial como a principal melhoria a ter em consideração, em contraste com 39% dos homens. Ainda assim, 26% dos homens sugeriram também que o trabalho flexível poderia ser uma melhoraria a ter em consideração no local de trabalho, em comparação com apenas 14% das mulheres.

Sandra Henke, Head of People & Culture da Hays, comentou os resultados “Este mês comemora-se o Dia Internacional da Mulher, e é positivo ver que as empresas estão a esforçar-se para alcançar a igualdade de género de forma a melhorar os locais de trabalho, no entanto, é preocupante ver que a desigualdade salarial ainda é uma preocupação que tem que ser abordada pelos empregadores. É importante que os empregadores ouçam as inquietações dos seus colaboradores e que comuniquem claramente as práticas que estão a tomar para alcançar a igualdade dentro dos seus negócios. É essencial haver mais progresso para realmente se alcançar a igualdade de género no trabalho e é benéfico para todos.”

Sandra Henke acrescenta ainda que “Na Hays a nível global, celebraremos as conquistas das mulheres ao longo de março e ao longo de todos os meses, e para além disso, promovemos a nossa cultura meritocrática e identificamos ainda mais as barreiras para alcançar a igualdade de género no local de trabalho. Na Hays, acreditamos seguramente que se trata simplesmente do talento mais indicado para o trabalho que é determinado pelo desempenho do mesmo.”