Home / Tecnologia / ECONOMIA / IDC prevê consolidação do “primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica”
terceira plataforma tecnológica PT empresas tecnológicas tecnologia indústria 4.0 fornecedores da bosch pme magazine
Foto de arquivo

IDC prevê consolidação do “primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica”

A terceira plataforma tecnológica e os aceleradores de inovação vão transformar o setor das tecnologias de informação e comunicação das empresas, concluiu o estudo ‘Futurscape Portuguese ICT Top 10 Predictions’, levado a cabo pela IDC.

 

“Estamos a assistir ao consolidar do primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica e a entrar no que consideramos ser o seu segundo capítulo, caracterizado pela consolidação da oferta cloud em megaplataformas, pelo rápido crescimento da IoT e da inteligência artificial, pela disrupção causada pelos negócios de plataforma (dentro e fora da industria das TIC), onde os dados constituem o principal ativo numa economia cada vez mais digital e a experiência dos consumidores, independentemente dos setores, é cada vez mais tecnológica, integrada e imersiva”, sublinha  Gabriel Coimbra, diretor-geral da IDC Portugal, citado no comunicado.

 

O estudo prevê que o mercado nacional tecnológico atinja, em 2018, um valor próximo dia 7,7 mil milhões de euros e que cresça 2,6%. As tecnologias associadas à terceira plataforma tecnológica e aos aceleradores de inovação são as que mais vão crescer, uma média de 12,4%, passando a representar 54% do mercado. Já as tecnologias associadas à segunda plataforma deverão cair 6,9% este ano.

 

Ainda segundo o mesmo estudo, em 2021, pelo menos 30% da “economia nacional será digitalizada, impulsionado pelas novas ofertas digitais, a digitalização das operações e das cadeias de valor, assim como dos canais e respetivos processos de relacionamento com clientes”.

 

Em 2019, estima-se que 25% das 100 maiores organizações portuguesas irão desenvolver uma nova estratégia de TI para suportar uma plataforma de Transformação Digital” e, em 2021, “o investimento e despesa empresarial nacional em serviços Cloud e respetivo hardware  necessário para o desenvolvimento de Clouds privadas e públicas irá duplicar e ultrapassar os 400 milhões de euros”.