Home / Tecnologia / ECONOMIA / IDC prevê consolidação do “primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica”
microempresas tecnológicas empreendedores do retalho e ti terceira plataforma tecnológica PT empresas tecnológicas tecnologia indústria 4.0 fornecedores da bosch pme magazine
Foto de arquivo

IDC prevê consolidação do “primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica”

A terceira plataforma tecnológica e os aceleradores de inovação vão transformar o setor das tecnologias de informação e comunicação das empresas, concluiu o estudo ‘Futurscape Portuguese ICT Top 10 Predictions’, levado a cabo pela IDC.

 

“Estamos a assistir ao consolidar do primeiro capítulo da terceira plataforma tecnológica e a entrar no que consideramos ser o seu segundo capítulo, caracterizado pela consolidação da oferta cloud em megaplataformas, pelo rápido crescimento da IoT e da inteligência artificial, pela disrupção causada pelos negócios de plataforma (dentro e fora da industria das TIC), onde os dados constituem o principal ativo numa economia cada vez mais digital e a experiência dos consumidores, independentemente dos setores, é cada vez mais tecnológica, integrada e imersiva”, sublinha  Gabriel Coimbra, diretor-geral da IDC Portugal, citado no comunicado.

 

O estudo prevê que o mercado nacional tecnológico atinja, em 2018, um valor próximo dia 7,7 mil milhões de euros e que cresça 2,6%. As tecnologias associadas à terceira plataforma tecnológica e aos aceleradores de inovação são as que mais vão crescer, uma média de 12,4%, passando a representar 54% do mercado. Já as tecnologias associadas à segunda plataforma deverão cair 6,9% este ano.

 

Ainda segundo o mesmo estudo, em 2021, pelo menos 30% da “economia nacional será digitalizada, impulsionado pelas novas ofertas digitais, a digitalização das operações e das cadeias de valor, assim como dos canais e respetivos processos de relacionamento com clientes”.

 

Em 2019, estima-se que 25% das 100 maiores organizações portuguesas irão desenvolver uma nova estratégia de TI para suportar uma plataforma de Transformação Digital” e, em 2021, “o investimento e despesa empresarial nacional em serviços Cloud e respetivo hardware  necessário para o desenvolvimento de Clouds privadas e públicas irá duplicar e ultrapassar os 400 milhões de euros”.