Home / Destaques / Lisboa Biz com o pé em duas startups
Lisboa Biz duas startups pme magazine
Programa Startup Biz começou há dois anos (Foto: Divulgação)

Lisboa Biz com o pé em duas startups

Uma agência de marketing digital para colocar as empresas portuguesas online e um centro de estudos de idiomas para pessoas do Brasil. Eis as duas startups incubadas no Lisboa Biz, centro de negócios na zona oriental de Lisboa que há dois anos arrancou com o Startup Biz, programa de apoio à incubação.

A incubação é feita com o apoio da Arsofi, empresa que detém o centro de negócios e que providencia às startups todo o apoio que necessitam, desde a criação de um plano de negócio, à contabilidade e ao secretariado. Além disso, aos projetos incubados é concedido um período de seis meses de carência “para todas as despesas na utilização dos serviços do Lisboa Biz”, refere o administrador da Arsofi, Artur Salada Ferreira, apoio que pode estender-se até um ano.

“O modelo que adotámos e que estamos a praticar nestes dois projetos consiste numa participação da Arsofi no financiamento da empresa”, explica Artur Salada Ferreira.

 

artur salada ferreira sem abrigo pme magazine ovos estudar nos anos 40
       Artur Salada Ferreira, administrador do Lisboa Biz (Foto: Inês Antunes)

 

Quanto aos projetos, o responsável refere que estão à procura, “fundamentalmente, de projetos tecnológicos”, mas não põe de parte o investimento em áreas mais tradicionais de negócio, desde que “crie músculo” no tecido empresarial português.

Um projeto digital

O primeiro projeto a ser incubado ao abrigo do programa Startup Biz foi a DigitalCOM, uma agência de comunicação digital que, diz o responsável Luís Carinhas, nasceu para “apoiar as empresas que ainda não têm uma presença digital, na sua identidade gráfica, na construção de um website, na presença nas redes sociais e também na divulgação digital da empresa”.

A marca DigitalCOM está, assim, a ser suportada pela Arsofi desde setembro de 2018. Ao final de um ano de incubação, a marca poderá tornar-se numa empresa independente, ou seguir com uma participação da investidora.

“Sempre trabalhei nesta área e há muito que queria ter um projeto por conta própria, faltava o capital e havia algum medo de arriscar. Foi aqui que a Arsofi me ajudou”, sublinha Luís Carinhas.

 

Um centro de estudos para brasileiros

Outro dos projetos a iniciar agora incubação ao abrigo do Startup Biz é o CEI – Estudos de Idiomas, um centro especializado no estudo de línguas, nomeadamente o inglês, para brasileiros em Portugal.

A base do projeto assenta na ideia de que ensinar inglês a pessoas que falam português de Portugal é diferente do que ensinar inglês a quem fale português do Brasil.

O objetivo é chegar ao máximo de trabalhadores brasileiros em Portugal possível e assim fazer crescer o negócio.

 

Diversificar e continuar a apoiar

Para a Arsofi, o programa Startup Biz surge como uma possibilidade de “diversificar a atividade”, mas também de poder ajudar o tecido empresarial português.

“A nossa aposta passa por colocar toda a capacidade técnica e humana do Lisboa Biz e do restante universo da Arsofi ao serviço de novos projetos em que acreditemos”, sublinha Artur Salada Ferreira.

Ao todo, para cada projeto são reservados 20 mil euros de investimento.

Um passo importante para o centro de negócios Lisboa Biz, que começou por ser apenas um centro de escritórios. Agora com cinco anos, a atividade principal mantém-se, mas o seu espetro já é alargado.

Situado na zona oriental de Lisboa, pelo Lisboa Biz já passaram, nos últimos cinco anos, 185 utilizadores diferentes, entre empresas que precisam de escritório, de salas de formação ou reunião, ou de quem simplesmente precisa de um escritório virtual.

O Lisboa Biz conta com 55 salas, que vão desde os 8 aos 80 metros quadrados, incluindo duas salas de reunião e quatro de formação.

Artur Salada Ferreira faz um balanço positivo destes cinco anos de atividade.

“As nossas perspetivas foram ultrapassadas sobretudo na notoriedade alcançada. Somos já uma referência que concorre com os melhores players do setor”.