Home / OPINIÃO / O futuro começa agora: uma nova geração de software de gestão para todos os tipos de empresas
gestão produtividade das empresas transformação digital ricardo parreira software de gestão pme magazine
Ricardo Parreira colabora pontualmente com a PME Magazine (Foto: Divulgação)

O futuro começa agora: uma nova geração de software de gestão para todos os tipos de empresas

Por: Ricardo Parreira, CEO da PHC

O digital está a transformar o mundo dos negócios como, no início do século XX, a aviação e os tanques tornaram obsoletos os conflitos de trincheiras. E como, anos mais tarde, esses mesmos aviões foram substituídos por drones. Ao mudarmos o foco para o mundo empresarial, permanece uma dúvida insistente: se já não faz sentido gerir um conflito como antigamente, porque continuam muitas empresas agarradas a um modelo de gestão de negócios que parou no tempo?

As empresas têm de ser mais ágeis, mais rápidas e mais flexíveis na forma como respondem aos novos desafios, porque o mundo está a mudar – e não faz um compasso de espera por ninguém. Sobretudo nos mercados tradicionais, considerados outrora como consolidados, mas que hoje se transfiguram com a entrada de novos concorrentes, munidos de novos modelos de negócio e ferramentas digitais.

A verdade é que, ao longo dos anos, a gestão das empresas tem evoluído exatamente à boleia das transformações nos modelos de negócio. É fácil perceber porquê: impera a filosofia de “em equipa vencedora não se mexe” – e, por isso, não se concebem mudanças de gestão até os resultados negativos pressionarem para tal. Contudo, se esperarmos pelo momento em que as vendas quebram, corremos o sério risco de sermos completamente ultrapassados por alguém que soube antever o próximo modelo de negócio. Nessa situação, resta apenas correr atrás do prejuízo.

Cada vez mais é preciso antecipar e fazer previsões, de forma a identificar oportunidades de otimização de processos e criar novos negócios. Mas não só. É preciso antecipar para dar aos clientes exatamente o que eles querem: uma experiência excelente, que responda às suas exigências e sofisticação.

Qual é a má notícia? É que todas as empresas no mercado procuram exatamente isso. E querem fazê-lo da forma mais rápida possível. O mundo digital gira a uma velocidade espantosa, mas para antecipar é preciso correr ainda mais rápido. Só assim é possível ser competitivo no mercado global e, para isso, é indispensável recorrer a tecnologias de gestão para ganhar velocidade, otimizar processos, recrutar mais rápido e não perder tempo em cargas administrativas. As ferramentas tecnológicas de gestão são indispensáveis, proporcionando informação relevante e indicadores que permitem navegar e selecionar a melhor rota para a empresa num crescente fluxo de dados que ameaça fazer soçobrar os decisores, mas hoje vão também além do tradicional conceito de ERP, trazendo consigo possibilidades de melhoria da customer experience e da workplace productivity

Além de obrigar a uma maior velocidade, o mundo digital esbateu barreiras geográficas, criou novas formas de diferenciação no mercado e também alterou a dimensão dos players mais promissores.

As empresas mais pequenas concorrem hoje no mesmo mercado do que as gigantes multinacionais. Olhando para os diversos setores, existem muitas PME inovadoras a transformar modelos de negócio considerados estabelecidos e seguros, seja no espaço do retalho, da mobilidade, dos serviços, da hotelaria ou da restauração. As que já existem têm de se adaptar, as que entram de novo têm de aproveitar para se diferenciar.

Diferenciação. Esta é uma palavra fulcral, sobretudo porque a transformação digital, apesar de muito exigente, abre um campo novo de oportunidades para os gestores que saibam abraçar esta mudança.

O Digital Transformation Scoreboard 2018, divulgado pela União Europeia em fevereiro, demonstra bem esta oportunidade: 46% das empresas que investem em tecnologias digitais viram os seus volumes de negócio aumentar nos três anos seguintes à adoção de novas tecnologias. É uma modernização da gestão, com ferramentas próprias, que já está a dar frutos concretos. E que, como todos podemos ver à nossa volta, não é exclusiva das grandes empresas.

Há, hoje, novas ferramentas tecnológicas acessíveis às PME e que lhes dão oportunidades que seriam inimagináveis há uma década. Todo e qualquer negócio só pode ser competitivo com ferramentas tecnológicas que respondam às suas necessidades de diferenciação. Qualquer gestor experiente sabe que a gestão de uma pequena ou média empresa tem a mesma complexidade do que é feito numa grande empresa, mas a uma escala distinta.

Da cloud à liberdade de escolha e à informação em tempo real, chegou uma nova era de ferramentas de gestão para as micro e pequenas empresas, capaz de resolver os mesmos problemas de gestão que têm as grandes empresas, mas numa escala distinta. E, com isso, dar-lhes uma oportunidade real de conquistar novos clientes no mesmo mercado que os grandes –  de forma ágil, porque têm informação em tempo real e uma gestão adaptada.

Tentar ganhar vantagem competitiva sem estas ferramentas é o mesmo que correr a pé numa competição de automóveis; ou querer ser mais eficiente numa trincheira quando existem tanques e aviões de combate a sobrevoar o terreno. E isto é válido para qualquer empresa, qualquer projeto ou iniciativa. Já não podemos estar dedicados apenas a pequenas quintinhas – o mercado é global e, se não quisermos entrar nesta corrida, há muitos que querem competir e abocanhar o nosso negócio. A nova geração de ferramentas de gestão está aí, acessível a pequenas, médias e grandes empresas. E o futuro da gestão começa hoje, começa agora.

 

Leia também o artigo de Miguel Capelão, risk control officer da PHC, sobre a transformação digital na gestão.