Home / Empresas / Casos de Sucesso / “O nosso investimento é, fundamentalmente, nas pessoas” – Fernando Reino da Costa
Fernando Reino da Costa _CEO_Unipartner pme magazine
Fernando Reino da Costa, CEO da Uniupartner (Foto: Divulgação)

“O nosso investimento é, fundamentalmente, nas pessoas” – Fernando Reino da Costa

A Unipartner é uma empresa portuguesa especializada em consultoria e integração de sistemas de informação, que surge na sequência do encerramento da multinacional Unisys. Com o encerramento da Unisys, a Unipartner passou a suportar a sua atuação indireta enquanto services partner, contando atualmente com 200 consultores em Portugal Continental. Recentemente, abriu uma filial na Madeira, que vai gerar mais 50 postos de trabalho. A PME MAgazine falou com o CEO, Fernando Reino da Costa, sobre os planos desta tecnológica portuguesa.

 

PME Magazine – Como surgiu a Unipartner e como foi a transição da Unisys para a nova empresa?

Fernando Reino da Costa – A Unipartner foi criada após a reorganização da Unisys em 2015 por cinco ex-diretores, agora managing partners. Essa reestruturação redefiniu as operações na EMEA e, em Portugal, a Unisys passou a oferecer suporte a clientes por meio de uma presença indireta. Para apoiar este novo modelo, a Unipartner tornou-se seu service partner e assegurou a continuidade dos projetos e relação com os clientes. Esta transição foi um sucesso, principalmente porque ocorreu suavemente e sem impactos nos clientes e seus projetos. Desde então, a dinâmica da Unipartner tem sido muito grande, temos crescido mais de 20% ao ano e continuamos a criar condições para o acelerar este crescimento.

 

PME Mag. – Quais as áreas mais representativas do negócio da Unipartner?

F. R. C. – Atualmente, a inovação na relação com o cliente é uma das áreas com mais relevância. Os consumidores (clientes dos nossos clientes) exigem mais serviços e produtos inovadores e uma interação com as empresas mais digital, personalizada e de elevada experiência e satisfação. Dada a nossa forte experiência nas áreas de portais, CRM e interação digital temos vindo a suportar os nossos clientes nestas iniciativas, a diferenciarem-se através de tecnologias como os bots, o machine learning, a mobilidade, a marketing automation, entre outras. Por outro lado, continuamos a suportar fortes iniciativas de modernização e digitalização das operações. Internamente as organizações continuam com muito espaço de melhoria, processos para digitalizar e transformar através da otimização e robotização, retirando benefícios consideráveis e a diferentes níveis. Os nossos clientes são entidades públicas e privadas de grande e média dimensão. No setor público, em todas as suas vertentes, central, regional e local. Nas utilities, no comércio e indústria, no transporte e logística, em fundações, passando pelo setor financeiro, nomeadamente banca e seguros, setor onde mais crescemos nos últimos anos. Adicionalmente, colaboramos com a Unisys e com a própria Microsoft em clientes nacionais e internacionais através do nosso Centro de Competências.

 

“Os consumidores exigem mais serviços e produtos inovadores e uma interação com as empresas mais digital, personalizada e de elevada experiência e satisfação.”

 

PME Mag. – Porque decidiram apostar na abertura de uma filial na Madeira?

F. R. C. – A abertura da Unipartner Madeira é um investimento que tem dois objetivos principais: fortalecer o nosso Centro de Competências Microsoft, por forma a dar resposta ao crescimento que temos vindo a sentir e disponibilizar ao tecido empresarial e ao Governo Regional os nossos serviços e soluções de inovação digital. Esta é uma decisão estratégica que reconhece a excelência dos profissionais e do ensino na Madeira, nomeadamente da Universidade da Madeira, com quem estamos a colaborar ativamente.

 

PME Mag. – Quais os principais desafios das empresas face à transformação digital?

F. R. C. – As grandes e médias empresas estão a enfrentar concorrência em todas as frentes, no core, a jusante e a montante. Concorrência esta proveniente tipicamente de startups de base tecnológica. Estas startups criam modelos de negócio inovadores e concorrentes em cima das mais recentes tecnologias e captam, maioritariamente, clientes jovens e com aptidão para a tecnologia, que são, na verdade, o perfil do cliente do futuro. O grande desafio das empresas passa por dar resposta a este contexto através da digitalização e modernização das suas operações que, de forma geral, são complexas e críticas, e pela inovação no modelo de negócio e na relação com os clientes. Segundo a nossa experiência, a grande percentagem das empresas ainda não tem uma abordagem e um plano com iniciativas que leve a uma efetiva transformação.

 

PME Mag. – O que mais vos é pedido pelas empresas neste sentido?

F. R. C. – Tipicamente, solicitam-nos apoio consultivo focado em vários temas, por exemplo, para apoiar o processo de transformação digital focado no marketing digital, na gestão comercial e relacionamento e serviço ao cliente. Nestes casos, o objetivo visa melhorar e aumentar a sua satisfação através dos canais digitais e maximizar proveito gerado por cliente. Estas iniciativas implicam, normalmente, aplicar plataformas de CRM, marketing digital e customer service com machine learning, numa abordagem omnichannel totalmente integrada com os principais sistemas existentes. No entanto, recebemos diferentes solicitações, porque a nossa oferta de serviços e soluções é muito abrangente, e cobre a modernização de aplicações de suporte ao negócio, a transformação do datacenter, que cada vez mais é baseado na cloud, a modernização do posto de trabalho cada vez mais colaborativo, móvel e com preocupações ao nível da segurança, e serviços de managed e outsourcing.

 

“Segundo a nossa experiência, a grande percentagem das empresas ainda não tem uma abordagem e um plano com iniciativas que leve a uma efetiva transformação.”

 

 PME Mag. – Qual o volume de negócios em 2017 e que previsões para 2018?

F. R. C. – Em 2017, o nosso volume de negócios foi de cerca de sete milhões de euros. Em 2018, ainda por apurar, iremos ter um crescimento considerável, que estimamos vir a ser superior a 20%.

 

PME Mag. –Que política têm para a retenção do talento?

F. R. C. – A equipa Unipartner é constituída por cerca de 200 colaboradores e tem vindo a crescer mais de 20% ao ano. Essa é a nossa expectativa para 2019. E iniciativas como a Unipartner Madeira são exatamente resposta às necessidades de crescimento e de retenção de talento. No entanto, são muitas as iniciativas que promovem, essencialmente, o bem-estar, a colaboração, a iniciativa, o crescimento, a excelência, o desafio e a inovação, individual e coletiva, sem esquecer a responsabilidade social. É este o nosso ADN e, a título de exemplo, refiro o programa “Your Future is Now”, que apoia em 50% (e por vezes mais) a formação avançada num conjunto de universidades nossas associadas. Este programa já gerou vários MBA e pós-graduados.

 

PME Mag. – Que investimentos estão nos planos de 2019?

F. R. C. – O nosso investimento é, fundamentalmente, nas pessoas. Para nós, este tema não é cliché, porque somos uma empresa de serviços em que o nosso ativo são as pessoas.  Neste sentido, vamos continuar a implementar várias iniciativas que visam fazer evoluir a nossa equipa em todos os sentidos, para fortalecermos a nossa posição de líder nas áreas de consultoria e integração de sistemas e de parceiro de referência Microsoft em todas as áreas empresariais. Não obstante, a Unipartner tem um conjunto de soluções business, aceleradores que permitem facilitar a transformação digital dos nossos clientes. E, em 2019, iremos lançar novas soluções e aumentar a sua promoção no mercado nacional e internacional.