Home / OPINIÃO / Quatro tendências de gestão para as PME em 2019
negócios de software gestão para pme produtividade das empresas transformação digital ricardo parreira software de gestão pme magazine
Ricardo Parreira, CEO da PHC Software(Foto: Divulgação)

Quatro tendências de gestão para as PME em 2019

Por: Ricardo Parreira, CEO da PHC Software

 

Diz-se que Darwin defendia que não são os mais fortes que sobrevivem, mas os que se adaptam mais rapidamente. Isto é tão verdade que a maioria das empresas que liderava os rankings de empresas nos anos 80 perdeu o seu destaque, dando lugar a outras que viram na mudança uma oportunidade de negócio. 2019 trará consigo diversas mudanças e tendências às quais as PME não podem ficar indiferentes.

No arranque de um ano em que a economia portuguesa crescerá na ordem dos 2,2%, as PME têm uma oportunidade de ouro para aumentar a sua competitividade e aproveitar o ciclo favorável, de forma a se prepararem para os desafios que a gestão enfrentará no curso prazo.

Estas são quatro tendências que merecem o olhar atento das PME:

 

1. O poder do cliente

A primeira encontra-se no centro da verdadeira transformação digital. E não, não é a tecnologia, mas a mudança que está a dar ao cliente um poder não antes visto. Com um nível de exigência, conhecimento e escolha cada vez maior, a chamada customer experience torna-se cada vez mais importante. E, fruto do potencial tecnológico, caminha para a personalização total, onde em breve tudo será personalizado. Na indústria, no contacto com os clientes ou na gestão de suporte, os serviços standard perderão cada vez mais o seu valor, dando lugar à liberdade de escolha.

A maioria dos clientes quer uma experiência à sua medida e que se diferencie das restantes. A personalização deverá ser uma preocupação das PME nos diversos pontos de contacto já que 80% dos consumidores estão mais dispostos a comprar a marcas que oferecem uma experiência personalizada. Mas também caminhará para uma experiência cada vez mais independente. A automatização de processos tende a tornar-se fundamental para a gestão de um negócio, já que o mercado caminha para que os serviços self service sejam uma preferência dos consumidores, que assim ganham velocidade e autonomia.

“A maioria dos clientes quer uma experiência à sua medida e que se diferencie das restantes.”

Mas também a diversidade de opções de pagamento desempenhará o seu papel na experiência dos clientes. Velocidade e segurança serão duas variáveis que criarão vantagens competitivas, sendo que a integração de soluções de pagamento online, como o MBWay, será valorizada. Dotar as PME de soluções que permitam esta integração será uma vantagem competitiva a curto prazo e deixará para trás aqueles que não acompanharem o ritmo da mudança dos negócios.

 

2. Serviços de subscrição

Por outro lado, como segunda tendência, os serviços de subscrição continuarão a expandir-se, tornando-se numa realidade em toda a sociedade e em particular nos segmentos de nicho, sendo que é estimado que 92% dos millennials têm um serviço de subscrição ativo. Não será surpresa mencionar que fenómenos como o Spotify ou o Netflix fazem parte do nosso dia a dia, mas se tivermos em conta que fenómenos de subscrição de produtos direcionados para mercados específicos, como comida ou produtos de higiene, crescem a um ritmo de 1% por mês nos EUA e que o crescimento do seu retorno é cinco vezes o da SP500, sabemos que a sociedade está a criar novos segmentos e modelos de negócios em que o software e a cloud desempenham um papel fulcral. Esta será uma oportunidade fantástica para as PME, que poderão fazer uso das ferramentas tecnológicas de gestão para criar vantagens competitivas em nichos de mercado e setores onde seria difícil de entrar.

 

3. Proteção dos dados dos consumidores

Em 2019, veremos também os dados no centro da discussão, já que os consumidores exigirão maior controlo sobre a sua informação. Se a 25 de maio do ano passado o RGPD entrou em vigor, a discussão está longe de terminada. A pressão para proteger os dados estará este ano na agenda pública e será fundamental dotar as empresas de ferramentas que permitam a proteção de dados pessoais. Ao mesmo tempo, a compra de informação a terceiros terá um valor cada vez mais diminuto – por exemplo, um estudo da Deloitte afirma que 71% dos dados comprados estão incorretos.

 

4. O foco nas pessoas

O propósito das empresas será cada vez mais uma vantagem competitiva perante os diferentes públicos de uma organização e, com o crescimento da importância do bem-estar no local de trabalho, será natural que as PME invistam ainda mais na felicidade das suas pessoas. Esta é, como já tive a oportunidade de referir por diversas vezes, um ativo importante de uma empresa. A felicidade é lucrativa e merece que as PME olhem para ela com a devida atenção. Também as práticas sustentáveis e inclusivas ganharão terreno. Uma PME não pode, nos dias de hoje, negligenciar a sustentabilidade e a inclusão social, devendo liderar nesta área, tirando partido da agilidade que as grandes empresas ainda não têm e ajustando as suas políticas a uma consciência social que lhe permitirá ser reconhecida como um exemplo de liderança com o qual as pessoas se identificam.

“Será natural que as PME invistam ainda mais na felicidade das suas pessoas.”

A tudo isto, junta-se a utilização de métricas no campo das HR Analytics, onde será fulcral para manter uma equipa feliz e focada na criação de valor para a empresa. Hoje, as ferramentas de gestão permitem medir diversos pontos de contacto de forma a que uma empresa tenha informação para a tomada de decisão interna de forma rápida, conseguindo assim estar focada nas suas pessoas e nos seus objetivos. Medir para decidir e avaliar – não só as vendas, mas todo o desempenho da empresa.

 

Estes são alguns dos pontos a que as PME portuguesas deverão prestar atenção em 2019, melhorando a sua gestão de acordo com a nova forma de gerir uma empresa, alicerçada na tecnologia, e aproveitando a mudança para criar vantagens competitivas apenas possíveis ao gestor moderno. A customer experience personalizada, o crescimento dos serviços de subscrição, a importância da proteção de dados e a preocupação com as pessoas no centro do negócio serão quatro assuntos que merecerão a atenção e desafiarão a inovação das PME portuguesas ao longo deste ano. A gestão das empresas necessitará de estar à altura da transformação do poder do cliente.